sexta-feira, Fevereiro 19, 2010

Ver mais além

Quero comer distâncias, engolir o tempo, e ver o reflexo do tempo que passou nas águas que param sob o céu sem cor. Quero estar aqui e ali, chegar lá e voltar aqui. Estar como estive, e dizer o que não disse.

E eu e tu
Perdidos e sós
Amantes distantes
Que nunca caiam
As pontes entre nós...

Eu tenho o medo
Tu tens a paz
Tens a loucura
Que a manhã
Ainda te traz...

Pedro Abrunhosa - As pontes entre nós

sábado, Fevereiro 06, 2010

E recordar é...

.... uma espécie de rejuvenescimento.
Recordamos as manhãs de fins de semana em que acordávamos mesmo antes dos desenhos animados começarem, recordamos os momentos em que nao fazíamos barulho para ir de pijama para a frente da televisão, possivelmente para recuperar o tempo perdido em que alguns podiam ficar com a companhia da caixinha mágica e nós tínhamos que recolher ao som da música do vitinho.
Ainda hoje lemos o Principezinho com a saudade da simplicidade e da genuinidade dos seus sentimentos, ainda hoje nos revemos na sabedoria de tanta inocência... ainda hoje olhamos para a televisão com saudade... e ainda hoje encontramos conforto na forma como a tv nos faz sorrir e nos transmite as mais intensas emoções. Ainda hoje, é a nossa caixinha mágica, não tem a magia infelizmente suficiente de fazer saír coelhos do seu interior...mas conforta-nos tanto!

segunda-feira, Janeiro 18, 2010

Uma imagem...



... Quantas emoções?
Quantas sensações fotografamos, filmamos e gravamos na nossa memória, no nosso coração e levamos para o mundo dos sonhos todos os dias ao adormecer?
Se uma imagem vale mais do que mil palavras, quantas palavras deveria escrever a quem tenho quase a certeza que me lê, até nas entrelinhas dos olhares e dos músculos do cérebro?
Não é facil quantificar, não é fácil pesar, medir, calcular ou até estimar.
Nem todos os dias conseguimos sonhar, nem todos os momentos conseguimos valorizar, mas a cada inspiração que surge, temos a facilidade de sorrir sem querer, sem motivo ou sem companhia. Todos os dias temos a dificuldade de tornar todos os instantes, olhares, cumplicidades ou fragrâncias num som contínuo, e numa trajectória única.
É bom termos a percepção de haver quem gire em torno do sol, do nosso sol, mesmo fora da estação, fora do tempo, e com o tempo adverso (sempre contado entre os dedos). Nem sempre no inverno é fácil termos calor, ou no verão sentirmos calafrios. Mas há fenómenos assim... acasos que pensamos calculados ao pormenor e que por mais simples que sejam, transportam-nos com a velocidade da felicidade para as chaves do nosso coração.

terça-feira, Junho 17, 2008

Ideia Luminosa

Preciso de uma... as minhas andam meias apagadas. Paguei a conta da criatividade e o imposto da inspiração! Será que as ideias agora usam lâmpadas economizadoras?
Come on baby light my....ideas!

PARA TRÀS...

Para trás do sol posto regressamos nós, não é por adormecer a ouvir o mar... Mas um dia leva-me de volta a acordar no oceano do mundo novo... assim com o frio lá fora, mas com o coração quente de esperança.

DO NOT...

Orientem-me! Não me deixem errado!

quarta-feira, Fevereiro 06, 2008

Caixinha da felicidade



Hoje, temos o dom de escolher o nosso animo, em qualquer lado que estejamos. Recuperar memorias esquecidas e que ficaram gravadas para sempre naquela melodia. Voltar atrás, parar no tempo, ou provavelmente ouvir coisas novas e que tenham o dom terapêutico que a música sempre teve e que quase nunca lhe associamos.
Sao divertimentos que trazemos, bocadinhos de droga que cabem no bolso, quadradinhos de chocolate que tantas vezes podemos dar a partilhar com alguem, ou até mesmo sermos invadidos por pretextos musicados para beijar alguém que realmente queremos.
IPOD.... e PODemos sempre sonhar que o nosso mundo realmente está a ganhar mais cor e alegria, pintadas a tinta de notas musicais.

terça-feira, Janeiro 29, 2008

DREAM AS A TRUE

Sempre tivemos no nosso horizonte o céu como limite das nossas aspirações. Sustivemos milhares de vezes a respiração no esforço de nos encontrarmos, aqui ali e em qualquer lugar.
Demos por nós abraçados na simplicidade do contemplar o mar, e adormecer junto a ele, com a benção do sol e a primazia da lua. Ocultamos os nossos medos com as ondas das almofadas e soltamos o extâse com a cumplicidade das ondas do mar. Podias ser sereia, rainha ou ainda princesa, mas simplesmente és tu... aquela estrela e aquela lua que estão dia a dia no meu pequeno maravilhoso mundo.
Obrigado!

terça-feira, Janeiro 08, 2008

LINHA DO TEMPO

Vínhamos depressa, com a força da inércia de um comboio... e entretanto parecíamos estar na mesma linha, com a mesma segurança de quem não muda de faixa, e todas as músicas dos CDs que ouvíamos encarrilavam nas travessuras das nossas vidas.
Um dia... mudamos de linha, o tempo mudou, nas nossas vidas surgiram outras opções e outras responsabilidades. Não pudemos mais ser itinerantes, cumprindo outras tabelas que não as da racionalidade e adoptando outras bitolas para os nossos comportamentos.
E tudo mudou...tudo parou ali, num terminal de uma fase, tal e qual como se de uma viagem de comboio se tratasse, sem nuna esperarmos ouvir uma música batida: «Quem és tu, de novo?» (Jorge Palma)

sexta-feira, Outubro 19, 2007

A ESTRELA DA LUZ


A estrela mágica apanhada entre a teia de uma ponte feita de uma arte que parece tricotar barras metálicas, entretanto servida pelo tabuleiro de outra mais austera.
Um flash quase reflectido pela corrente que nos leva ao sabor da rede dos pensamentos ao longo da corrente que nos electriza e acende as emoções.

segunda-feira, Outubro 08, 2007

RELAX


RElax... Take it easyyyyyyyy....

quinta-feira, Junho 28, 2007

ANDAR NO CEU

Espreito-te do meu céu, deixo pegadas nas nuvens como quem saltita entre os riscos de uma passadeira que era vermelha de paixão.
É o sonho antigo de dar asas á imaginação, numa máquina sem asas, pegar na tua mão e voar...assim penso em ti.
São agora as nuvens, o nosso livro aberto feito de desencontros, despenhado no destino...por elas passo, quando nelas estou nelas nos revejo.
Não há o sabor do risco da paixão, há apenas o ruido do vento que nos passa pelos dedos, como o tempo que nos passa pela cor do cabelo.
Abre o coração, vem voar... e seremos livres de novo.

domingo, Junho 17, 2007

WAITING LINE

O tempo escorrega entre os ponteiros do relógio. E estamos rodeados de luzes, trânsito e um frenético oscilar de cores e luzes a piscar.
Estamos na faixa do perigo, seguimos o impulso do risco que nos atrai.
Esperamos a luz verde, num semáforo em que nunca saberemos quando o vermelho irá apagar, tentamos sair da risca preta da passadeira que nos orienta para o outro lado da rua pelo qual o tempo caminha ao ritmo da nossa vida, e não apenas ao pulsar lento que nos fizeram parar. Ao pulsar das memórias que nos levam e seguem para parte incerta e a nossa vida erram em deixar deserta.
E tudo o que passa nao traz o humanismo das emoções, apenas a frieza da história que ali terminou.

quinta-feira, Junho 14, 2007

ABRAÇO


Deixa-me estender o teu abraço. Empurras nuvens e ergues horizontes ao construires os meus sonhos. E esta a pessoa com que todos sonhamos e tanto esperamos....em que perdemos as contas aos minutos que passamos na procura de alguem.

quinta-feira, Maio 03, 2007

A ROSA NA VIDA

Na vida as rosas surgem, com o seu perfume, e com o seu espinho, deixam o chão cheio de pétalas caidas e cores desbotadas de dias feitos de folhas arrancadas ao calendário que passou.
Não resisti a deixar aqui imagens com movimento, de uma brilhante e rara interpretação de Thomas Dolby e Rachelle Garniez para um tema de Edith Piaff.
Espero que este som e esta letra torne os vossos dias floridos!

http://www.ted.com/talks/view/id/115

terça-feira, Maio 01, 2007

MEMÓRIAS

Folheiam-se músicas, sentem-se imagens, e escutam-se as palavras que apenas o romantismo das flores nos fazem espirrar...e assim regressamos aos locais da nossa memória.

A JANELA DA PRINCESA


As princesas olhavam desta forma o mundo, do topo da montanha, do cimo da sua torre... longos horizontes se deslindavam nos seus sonhos feitos de montes e vales cobertos de um céu azul oceano...um oceano de fantasias que deram origens a outras tantas histórias fantasiosas que nos contaram quando éramos mais pequenos e continuam a fazer parte do nosso fascínio.

segunda-feira, Abril 30, 2007

CORAÇÃO VERDe

São feitos assim os jardins dos apaixonados, de pequenos sinais, mudos e camuflados, de paixões plantadas em terrenos férteis em sentimentos floridos.
Há quanto tempo não passamos por um jardim a descobrir os seus recantos cheios de encantos? Como quando neles passávamos e descobríamos as flores e pedras encantadas tal como nos contos de gnomos e duendes que por ali supostamente brincavam.

quarta-feira, Março 07, 2007

INSTANTES DECISIVOS

Já alguma vez pensamos no decisivo que pode ser um segundo na nossa vida?
Os reencontros que pode condicionar? Os rumos que a nossa vida pode mudar se nos atrasarmos a atravessar a rua? Se olharmos para o outro lado da rua?
Ainda alguém se atreve a dizer que não há coincidências?
Porque é que certos cruzamentos acontecem na nossa vida?
Quem os organiza? Quem nos empurra para os encontros?

quinta-feira, Março 01, 2007

CHOOSE THE SHOES


Temos esta forma de pensar, que tudo nos serve, que nada nos cria empatia nos olhos. Que somos feitos de outra medida daquilo que realmente ambicionamos ser. E paramos assim as nossas vidas encravadas ainda antes de se começar a caminhar... que nos sirva de animação a cacofonia: CHOOSE THE SHOES! para matar o tempo e vamos seguindo a pensar o que afinal vamos calçar!

segunda-feira, Fevereiro 19, 2007

14Fevereiro - Orgulho & Preconceito


Foi dia... foi jantar, foi uma noite a imaginar.
Porque não nos libertamos de preconceitos?
Porque não atiramos para a arte o orgulho, e somos pessoas com capacidades de compreensão num dia especial dos nossos dificeis amores, que por vezes classificamos como desamores?

100 POSTS

Apenas para celebrar a centena de posts.... cem posts, sem foto!
A todos vocês obrigado por lerem e relerem o blog.
Desculpem pela ausência provocada pelo tempo de exames e outros afazeres profissionais.
Mas o regresso está marcado, e em breve novas fotos serão exibidas, nesta espécie de galeria com legendas.
Um obrigado á exame informática (Fev07) pela critica (mais do que favorável) ao blog.

quinta-feira, Janeiro 25, 2007

COMBOIO


Vamos por ai... olhar as margens desfocadas da nossa vida, numa velocidade em que apenas o motivo de interesse é mesmo a meta que atingimos e se tudo fazemos ou não para a conseguir.
Vamos depressa ou vamos devagar? Deixemos isso para quem nos conduz e centremo-nos em nós!

terça-feira, Janeiro 23, 2007

REGRESSO AO INICIO DO MAR


O sol adormece mas algo acorda dentro de nós, o desejo da força das ondas, o desejo de estarmos sempre prontos a lidar com marés. A corrente da nossa alma, o vento do nosso espirito bafeja-nos com cores quentes em dias... que precisamos mesmo de sitios como estes que nos encham dos pés á cabeça com a vitalidade que só o mar sabe trazer.

quarta-feira, Janeiro 10, 2007

BARCOS EM TERRA

Passam as marés, acalmam as correntes... e o rio espelha nele uma tranquilidade tremenda.
Mas os barcos continuam em terra como sinal de firmeza dos mares que hão de um dia navegar.

terça-feira, Janeiro 09, 2007

NASCER DO SOL

Um novo dia no novo ano...uma nova forma de pensar, a mesma maneira de sentir.
E o sol, e aquela estrela que desejamos sempre ter na nossa imtimidade, sem o mistério da lua, mas com o seu calor próprio.

sexta-feira, Dezembro 29, 2006

JÁ NÃO...

Varreu-se tudo, o amor, a tua cara, a tua presença, o teu sorriso e o brilho dos teus olhos. Sim... as letras escritas no meu coração enterraram-se na areia... e veio o mar do novo ano e varreu tudo. O teu nome... mas brevemente virá um outro nome para escrever, com o mesmo verbo.
Assim será, assim o desejamos, assim queremos que o novo ano seja uma enchente de felicidade, e se do passado apenas fica a historia, do futuro faz-se o presente.
Um bom ano!

quarta-feira, Dezembro 27, 2006

REFLEXO DE UM SONHO


Este é o reflexo de um sonho, de um local de sonhos que podemos visitar e delirar.
Admirar a vista, os sons, as cores, e os cenários de tão fabuloso recanto.
Aqui tão perto e tão longe de tudo... é o mundo dos sonhos que encontramos num parque e numa casa.

SOL DO PARQUE

Adormece o sol, no meio das folhas caídas, olha-se o céu...retrata-se a imagem que nos enche o paladar da vista para um mais tarde a mostrar.
Aguarda-se a chegada das estrelas, e que alguma delas traga a realidade do desejo imaginado.

sábado, Dezembro 23, 2006

Mais só que sozinho

A espera de alguem que já não chega, de alguém que já não vem.
Olhando á volta tudo é insignifcante como os grãos de areia, as palavras que foram ditas, ouvidas e sentidas apagam-se e reescrevem-se na areia...
Pára de olhar para mim...
Deixa-me ser alguém.... porque tão cedo não serás ninguém.
Não sei como cheguei aqui, fui sendo arrastado pelas ondas, estou mais só que sozinho.
Basta!
Deixa que me mostrem o caminho!

sexta-feira, Dezembro 22, 2006

MAR DE SOL


Há um mar feito de raios de sal, banhados por cristais de sol.
Com ele temperamos os nossos sonhos e com ele nos saciamos quando as desilusões acontecem.

quarta-feira, Dezembro 20, 2006

Fotos com palavras


Fixo a tua expressão, fixo o teu sentimento, imagino as palavras que fervem dentro de mim. E aqui está... um poema em tom de post it ilustrado que podia bem ter sido tornado um outdoor, para saberes que alguém sente.

terça-feira, Dezembro 19, 2006

SABORES

Tudo está calmo, todas as vistas parecem estar cheias de sabor, adicionando-lhes a neblina um contraste misterioso e desinquietante. E movemo-nos nesse frenesim trémulo, como alguém que caminha na corda bamba no dia a dia revisitando os sitios que muitos parecem não dar valor.

SOL DE INVERNO


Olhas o sol séria... o sol foi dormir. Depois disto vem a noite, o frio e o inverno. E tudo ficou ali, quando o sol se deitou, so ficou meia duzia de candeeiros a mostrar a sua luz timida, os sitios fecharam... foi-se o verão e chegou o Outono, e depois o Inverno, sem ninguém ter conseguido varrer ainda as folhas caídas.

quarta-feira, Dezembro 13, 2006

LOBO DO MAR

Gostava de ter essa sabedoria de rasgares as ondas, brincares com as correntes e respirares a espuma que o mar traz.
Esse teu ar bravo e corajoso que transpiras do teu interior... era só isso que gostava de aprender a sentir. E daí lidar com todos os ventos, ondas ou correntes. Ir contra marés... e tudo seria diferente. Tudo será diferente certamente.

domingo, Dezembro 03, 2006

PESTANEJAR

Enquanto bocejas a cidade pestaneja para mais um sono iluminado. Seria bom encontrar a tua cara por aí, ou perto de mim... nem que ficasse toda a noite a guardar o teu sono.

quarta-feira, Novembro 29, 2006

MIL CORES

Pensamos que o inverno não nos pode trazer o calor destas cores...
Certo é que o frio nos invade o corpo, mas os olhos da alma aquecem quando confrontados com paletas como esta.
E o trânsito passa por nós...todos regressam a casa, e ninguém rouba um pedacinho de céu para aperitivo. Certamente lhes saberia melhor que um bom Porto, é a cidade robot que temos aqui!

MENSAGEIRO DA MARGINAL

Não, não estamos bebâdos, nem a alucinar. Há mesmo um anjo numa curva da marginal.
E o anjo está ali, prestes a receber as mensagens com os desejos de tantas pessoas que lhe depositam aos pés velas que o iluminam de noite e de dia.
Chamaram-lhe mensageiro, e já que a sua posição é de destaque...porque não deixarmos um papelinho com uma mensagem?
Que todos os nossos desejos se realizem!

ONDAS OU NUVENS


A Terra é assim, um ponto de passagem, dos oceanos aos céus.
Há dias em que confundimos ondas com nuvens e nuvens com ondas.
Porque as ondas nos fazem sombra e as nuvens nos arrastam para dias menos coloridos.

domingo, Novembro 26, 2006

PASSAGENS

Passam, correm, olham, sabem para onde vão... sabem o que os espera.
Não têm espaço para ler o que está escrito na parede, para perguntar o porquê de numa rua escura estar alguem a fotografar uma parede, ou até soltar um simples sorriso para a foto...é mais uma corrida, mais uma banal 'viagem' de rotina nesta cidade de que nos servimos apenas para algo que ainda não descobri bem o quê.

ENCHER

Somos como um rio, transbordamos, corremos cheios de pressa, e movimentamo-nos num turbilhão de pensamentos e ideias. Tudo ao nosso redor parece fixo e imóvel, só quem mexe com o nosso rio vibra, desloca-se, afecta-se.
Vamos a correr até ao mar, e encontremo-nos para um café na foz.

quinta-feira, Novembro 23, 2006

CIRCULOS PERFEITOS

Dou por mim a tentar entender o que correu mal.... desfaço-me em lágrimas por cada foto que vejo, cada nota de música que se solta no ar que respiro e tudo aparenta tranformar-se em sofrimento.... Não me entendo .... e nestes momentos tudo o que nos rodeia reduz-se à ausência de significado do fútil, por mais que tente entender, colocando em jogo todas as hipóteses, conclusões e atitudes não me consigo entender e nem mesmo sei por que estou a escrever isto.... Penso na minha vida e em todo o significado que ela tem e a conclusão trás um rasto de desolação, consigo estar rodeado de pessoas que me sufocam e consigo ter tudo o que queria excepto a unica coisa que de facto foi mais valiosa que tudo isto
Alguém já cantou em nota de bossa nova, com um suster de lágrimas "se algumas vidas formam um círculo perfeito, outras assumem formas que nem sempre podemos prever ou entender."? Terá sido algum rocker que se tornou pianista emocionado e fervoroso, capaz de traduzir em notas de música simplesmente letras infinitas e conjugações eternas?

quarta-feira, Novembro 22, 2006

ENSURDECER

De arcos estreitos e perfeitos, de pedras sobrepostas assim se faz a nossa história. Fica guardada na memória dos milénios, admirada por uns, maltratada por outros, e retratada por alguns no escuro, onde uma lâmpada paciente iluminava os mesmos cantos de sempre.
De que vale ensurdecermos pois para a memória o nosso coração fica mudo de sentimentos, pode por vezes ficar de palavras.
Castelo de Vide - Portalegre

segunda-feira, Novembro 20, 2006

NÃO ME APONTES NADA

Não tenho nada para te dar, não tens nada que me apontar.
Tu partiste, ficou embutido no vazio. Não te tomes de armas, não estamos em guerra. Não me tomes de assalto porque o que tenho a ti pertence.
Não fiques aí, não fiques como o perigo que aguarda em cada esquina.
Não me encontres assim como algo metido numa parede.
Viver na cidade tem mesmo de ser assim?

ELEVA-ME

Faz-me subir alto, ver colinas e luzes suspensas pela paisagem, respirar fundo, leva-me alto. Eleva-me ao vôo dos pássaros e á altura de Deus. Eleva-me... eleva-me do fundo de onde as luzes parecem pequenos pontos verdes de esperança suspensa no ar. Eleva-me, delicia-me com o outro ar que se respira no cimo, e sacia-me com a paisagem que tens para me mostrar e que eu tenho para partilhar.
Pega-me nos braços, faz-me esvoaçar nesse teu elevar. Faz as minhas pernas tremer de entusiasmo e o coração bater de emoção. Eleva-me!


Lisboa - Baixa - Bienal Luzboa - Elevador de Santa Justa.

PICAR O CEU

E que o Leão conduza os nossos murmurios até ao céu que ele pica, lá do cimo do monumento na rotunda da Boavista...
Assim o desejamos...

quinta-feira, Novembro 16, 2006

AS NOSSAS IMAGENS

As nossas fotos ficam assim, imoveis no tempo, amontoadas na montra da nossa memória. Encaixilhadas com o contexto de sempre, e com o preço elevado de por vezes as termos gravadas e expostas no coração.
Todas olhadas através de um vidro, não as podemos tocar, nao podemos falar com elas... apenas olhar, admirar e ter saudades dos dias em que o tempo parou e se tirou a foto.

DEGRAUS

Queremos subir,descer, ficar ali parados aos pulos num.
Encontramo-los nas mais diversas formas e cores.
Mas são degraus que nos surgem na vida... e novamente nos questionamos, subimos ou descemos?
Subimos com a força do nosso conhecimento ou neles descemos para buscar o nosso verdadeiro intelecto?

quarta-feira, Novembro 15, 2006

E EU..ESTOU AQUI

E aqui continuo com os meus posts... a despejar quase no éter os pensamentos que não se podem partilhar com alguém que queremos.
Estou no meio da sociedade, estou em todo o lado, estamos no mundo, e desejamos encontrar-mo-nos, reencontrar-mo-nos. Será que isso vai acontecer?
A tinta que escorreu das nossas conversas e ficamos enleados no meio de tudo isto, as palavras que parecem não ter sentido e que no fundo são feitas é de sentimentos.
E que nesse dia o nosso reencontro seja como o nosso primeiro encontro.
Entretanto.... EU ESTOU AQUI.

TAKE THE LONG WAY

Certas travessias parecem longas, mesmo que estejamos de pés assentes nos carris... a outra margem parece não chegar e a água transborda-nos os nervos. Tudo poderia ser tão fácil, tudo poderia ser tão programado, mas temos de contar com a incerteza que nos deixa a pairar sobre o horizonte, e a desejarmos termos voos livres como o dos pássaros.

terça-feira, Novembro 14, 2006

ESPAÇOS

Todos os espaços são coloridos, têm lugar para uma foto, um texto ou algo que a nossa imaginação consiga colocar.
Pequenos, médios ou grandes, tudo cabe neles, desde que os horizontes da nossa imaginação sejam largos.

Serralves - Nov06